Cópia de Diretor da Câmara Árabe Brasileira considera a adaptação de produtos peça chave

Diretor da Câmara Árabe Brasileira considera a adaptação de produtos peça chave para internacionalizar empresas







São Paulo – A promoção comercial acelerando a presença internacional foi o tema de um dos painéis do Sebrae Global Experience promovido pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) do Rio de Janeiro. O evento virtual teve início nesta terça-feira (23) e vai até quinta-feira (25). Os debates contaram a presença de executivos como o secretário-geral e CEO da Câmara de Comércio Árabe Brasileira, Tamer Mansour, que falou sobre as etapas para internacionalizar empresas em solo árabe.


Na ocasião, o executivo falou sobre a necessidade de as empresas se prepararem para negociar em uma dinâmica própria de cada país árabe. “O mais importante no processo de negociar com os árabes é não atropelar as etapas. É um mercado que tem muitas diferenças, cada região tem a sua característica. Tem a capacitação, você precisa focar em saber a cultura da região e saber se seu produto precisa de alguma adaptação”, afirmou ele.


Mansour citou como exemplo uma empresa que visitou na Jordânia. Na companhia o objetivo era não apenas produzir games, mas adaptar os jogos já existentes para diferentes nações e culturas. O executivo também lembrou a diversificação da economia que os árabes vêm promovendo, através de investimento em tecnologia como cidades inteligentes, big datas e projetos 3D.


“A inteligência artificial foi utilizada inclusive para rastrear pessoas e impedir aglomerações durante a fase aguda da pandemia”, lembrou Mansour.


Também presente no debate, Camila Moura, diretora da Câmara Americana de Comércio para o Brasil, a Ancham, falou sobre a presença de companhias brasileiras nos Estados Unidos. Ela destacou que há espaço para pequenas empresas e startups e oportunidades em diferentes estados.


Além de Moura, Nicolás Casasfranco, diretor geral do Procolômbia no Brasil, também falou sobre as relações comerciais com a Colômbia. “Além das zonas francas, temos uma economia estável e isso é bom para as empresas que querem se instalar”, afirmou Casasfranco.




(*) Com informações da ANBA






Fonte: https://www.comexdobrasil.com/diretor-da-camara-arabe-brasileira-considera-a-adaptacao-de-produtos-peca-chave-para-internacionalizar-empresas/

18 visualizações0 comentário